Fazer o bem? Fazer o mal? Ou fazer o que deve ser feito?

Querido viajante cósmico,

Bem e Mal, a dualidade

Clique na imagem

Algumas pessoas dizem que meu gênio é terrível, mas poucas sabem, só convivendo comigo, que sou extremamente brincalhão e amoroso. Mas, mas, mas, o velho bom mas, não pise no meu calo e nem tente dizer o que devo ser, ter e fazer ou mesmo tentar me manipular, você vai conhecer mais e mais o amor que sinto por mim e por todos.

 

Sim, em alguns momentos, dependendo do enredo do samba, sou carne de pescoço, embora isso seja muito raro. Então, posso lhes garantir: “sou uma das pessoas mais amorosas que você poderá conhecer”.

 

Vamos falar da velha e boa dualidade, o bem e o mal, frio e calor, etc? Então, pare um pouco, reflita, o que de fato é bem ou mal? Você sabe definir? Exemplos expressivos? Ou você é da turma que sabe que essa coisa de bem e do mal, é mais uma armadilha que colocamos em nosso “caminho”? Ah sim, o caminho, a caminhada. Sabia que só existe o caminhante?

 

A maioria dos seres deste maravilhoso planeta foi treinada, por consentimento pessoal – que isso fique claro, a conhecer a tal da dualidade: como devemos ser, “o bem”, e como devemos não ser, “o mal”. Isso é muito conveniente para aqueles que manipulam grande parte da humanidade, que fazem o que quer, bem ou mal, e colocam quase todos numa sinuca de bico, pois foram treinados a fazer o bem.

 

Mesmo sendo por consentimento pessoal, os manipuladores são grandes caras de pau, mas temos que dar a mão à palmatória, eles trabalham bem e sem o trabalho deles, jamais a humanidade estaria passando por estes momentos únicos.

 

Muitos se perguntam: Como posso fazer tal coisa, se isso é coisa do diabo? Vou para o inferno? Serei excomungado? Você pode não acreditar, mas, de alguma forma, a maioria pensa ou sente isso mesmo e vive numa prisão.

 

Vou dar um exemplo: Recentemente saiu um escândalo sobre o aumento de um determinado imposto em uma determinada cidade do Brasil. Só rindo, na calada da noite. Como eu já falei, eles são bons mesmo, trabalham bem, e à vezes em equipe. Este é um diferencial que eles tem, trabalham em equipe.

 

Várias pessoas conhecidas ficaram injuriadas com tal disparate, como podem fazer isso? Blá blá blá? Claro, eu como bom advogado do diabo, fico no primeiro instante observando, mas como não tenho papa na língua disse o seguinte: Ué, eles fazem isso porque a população não faz absolutamente nada e se quiser fazer, vai arrumar mil e uma desculpas para não fazer, ou seja, não faz nada além de reclamação.

 

As pessoas ficavam me olhando e depois eu disse: Ué, não pague tal imposto, simples assim.

 

Ouve um certo momento de alívio e alguém disse: Sim, muito legal Mauro, não vamos pagar o imposto. Logo depois veio o tal do mas, mas, mas, mas podemos cair na divida ativa, pode nos acontecer isso, aquilo, mais isso, blá blá blá, etc. Nossa, como nossa mente não se aquieta e ainda damos confiança para ela, blá blá blá.

 

Convencida que tinha arrumado a desculpa ideal, a pessoa me perguntou: Mauro, se eu não pagar tal imposto, vou cair na dívida ativa. Só rindo, eu disse: Sim, se você fizer isso só, é provável, mas se muitos e muitos fizerem juntos, uma “corrente”, será que tal cidade tem como colocar muitos e muitos na dívida ativa ou vão fazer negociação? Mais uma vez: simples assim.

 

Ah, outra disse: Isso é contra as leis. Tá certo, eu disse: contra a lei é você se permitir ser manipulado(a) por este bando, permitir roubarem seu dinheiro e não fazer nada, e ainda esperar a chegada de um salvador da “pátria”, coitado de você, uma vítima.

 

Eu digo: Tome seu poder de volta, crie sua realidade.

 

Será que as pessoas percebem a mágica disso tudo? Será que as pessoas estão vendo que a humanidade está sendo impulsionada a tomar conta do seu destino conscientemente? Sua soberania?

 

Se eu fosse fazer algo sobre este imposto, com certeza eu nem saberia nada sobre tal assunto e provavelmente não faria a menor diferença na minha vida, pois não participo do jogo deles, aliás, com certeza, sou invisível para eles.

 

A questão aqui não é pagar ou deixar de pagar imposto, a questão é você se “livrar” desta coisa de fazer o mal ou o bem, para fazer o que deve ser feito, sem julgamentos se isso é bem ou mal.

 

Ah, mas o bom da história, e para muitos o ruim, ninguém vai lhe dizer que você tem este “poder”, ninguém vai lhe dizer que você já é e sempre foi um iluminado ou mesmo um ascensionado, isso é você que vai dizer, isso é você que vai se auto outorgar. Sinto muito, mas nenhum mestre vai lhe dar um diploma. Ah, eu não gosto muito da palavras poder, ela foi muito usado neste jogo da dualidade, eu gosto da palavra plenitude.

 

Para quem não conhece meu trabalho, saiba, eu falo sempre a mesma coisa, ame-se do jeito que você é, e você vai saber que VOCÊ É.

 

Eu Sou Mauro Muller, Eu existo

Oh-Be-Ahn

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: